Corona Vírus

Os coronavírus (CoV) compõem uma grande família de vírus, conhecidos desde meados da década de 1960, que receberam esse nome devido às espículas na sua superfície, que lembram uma coroa (do inglês crown). Podem causar desde um resfriado comum até síndromes respiratórias graves. O novo coronavírus é uma nova variante do coronavírus, denominada 2019-nCoV, que […]

Os coronavírus (CoV) compõem uma grande família de vírus, conhecidos desde meados da década de 1960, que receberam esse nome devido às espículas na sua superfície, que lembram uma coroa (do inglês crown). Podem causar desde um resfriado comum até síndromes respiratórias graves.

O novo coronavírus é uma nova variante do coronavírus, denominada 2019-nCoV, que não havia sido identificada em humanos. Este novo vírus foi identificado após a notificação de casos de pneumonia de causa desconhecida entre dezembro/2019 e janeiro/2020, diagnosticados inicialmente na cidade chinesa de Wuhan, capital da província de Hubei. Acredita-se que a fonte primária do vírus seja um mercado de frutos do mar e animais vivos em Wuhan.

Alguns coronavírus são capazes de infectar humanos e podem ser transmitidos de pessoa a pessoa pelo ar (secreções aéreas do paciente infectado) ou por contato pessoal com secreções contaminadas, estando limitada a familiares e profissionais de saúde que cuidaram de pacientes infectados.

Presume-se que o tempo entre a exposição ao vírus e o início dos sintomas seja de até duas semanas.

Uma pessoa infectada pelo coronavírus pode permanecer sem qualquer sintoma ou apresentar sintomas semelhantes ao resfriado, ou em casos graves, pneumonia e insuficiência respiratória aguda, com dificuldade respiratória.

Crianças de pouca idade, idosos e pacientes com baixa imunidade podem apresentar manifestações mais graves.

O diagnóstico do novo coronavírus é confirmado através de exames realizados por biologia molecular, que identificam o material genético do vírus em secreções respiratórias.

Não há um medicamento específico para tratamento, sendo indicado repouso e ingestão de líquidos, além de medidas para aliviar os sintomas, como analgésicos e antitérmicos.

Até o momento não há vacina.

Como reduzir o risco de infecção pelo novo coronavírus?

•Evite o contato próximo a pessoas com infecções respiratórias agudas;

•Lave frequentemente as mãos antes de se alimentar;

e especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;

•Use lenço descartável para higiene nasal;

•Cubra nariz e boca ao espirrar ou tossir;

•Evite tocar nas mucosas dos olhos;

•Higienize as mãos após tossir ou espirrar;

•Não compartilhe objetos de uso pessoal;

como: talheres, pratos, copos ou garrafas;

•Mantenha os ambientes bem ventilados;

•Evite contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.

Outras notícias

Microcefalia: causa e tratamento

  A microcefalia ganhou destaque nos noticiários do Brasil em 2015 quando houve um surto da doença no país. Trata-se de um distúrbio neurológico, no qual o cérebro da criança não se desenvolve completamente. Com isso, o tamanho da cabeça do indivíduo é menor do que o esperado. A microcefalia pode estar presente no nascimento […]

Novembro azul: Exames e tratamento

  A campanha Novembro Azul tem como objetivo informar a população sobre o que é o câncer de próstatga e incentivar os homens a manterem consultas de rotina com o médico urologista. O especialista é capaz de realizar uma avaliação individualizada sobre o risco de desenvolvimento do câncer no paciente. O toque retal é o […]

Setembro Dourado

  A campanha Setembro Dourado é uma iniciativa mundial que tem como objetivo alertar a população para a identificação dos sinais e a importância do diagnóstico precoce do câncer infanto juvenil. No Brasil, o câncer representa a primeira causa de mortalidade por doença em crianças e adolescentes entre 1 e 19 anos de idade. Segundo […]